Loading

Carlos Taveira (Piri)

Assim Escrevia Bento Kissama

Assim Escrevia Bento Kissama

2019

Guerra & Paz, Editores, Lisboa, 2019
Clique aqui para comprar
Romance, 295p, ISBN 978-989-702-476-4.
As aventuras de um angolano nos anos pós-independência e seu longo percurso até voltar à sua terra. Romance em três partes inspiradas na filosofia de Nietzsche: Camelo, Predador e Crianças.


De aguardente velhíssima em punho, Bento Kissama metralha o teclado, acordando memórias da guerra civil angolana onde se bateu, disparou obuses e matou sem vontade. Escreve-as no seu refúgio de Olhão, um albergue comprado com dinheiros herdados e lavados onde enriquece, engorda e seduz turistas em cio. O acaso, porém, coloca-o na encruzilhada de uma correspondência tão inesperada como inquietante, provocando-lhe delírios filosófico-etílicos que rondam a loucura. Para reconquistar o equilíbrio perdido regressa a Angola, onde desaparece, deixando três cadernos nas mãos de um editor. Gilberto, jornalista freelance, esquadrinha-lhe o manuscrito deparando-se, banzado, com um friso de personagens improváveis: o autor, um macaense amigo de infância, uma freira à solta, um bosquímano combatente, um soldado sul-africano das forças especiais e sua irmã, um sombrio agente da polícia política entre outros, mostrando-lhe que as cores da aventura são o oposto de um filme em tons de cinza.


Excerto

«Por que razão há povos com tanto azar, não é pergunta de fácil resposta. Os que povoam Angolae países vizinhos não se encontram entre os mais sortudos do mundo, basta verificar-lhes rapidamente a história, a que é contada e a outra, a que é escamoteada. Roubaram-nos tudo: braços, terras, riquezas – à superfície, enterradas, imersas –, até mesmo a tal história euroescrita por caucasianas mentalidades. Os povos dali, de Angola e arredores, foram balançados de guerrilhas a guerras, das guerras à escravatura, da escravatura às ditaduras, das ditaduras à polícia política e, mesmo após a tão desejada independência, de azares a divisões e destas divisões a fracturas. Se chegar a velho, gabar-me-ei de ter visto, durante a minha vida, coisas únicas, a aparição de cometas raros, uma independência, uma guerra, o passar do século e do milénio.»





Nenhum comentário


Deixe o seu comentário: